Visionárias criam primeiro fundo para apoiar empreendedoras negras e indígenas no Brasil

PorRedação

13 jul 2021
Aline Odara e Fabiana Aguiar. Foto: divulgação

Com a força da herança iorubá, surge o Agbara, primeiro fundo criado para oferecer o instrumental e os recursos para que mulheres negras e indígenas do Brasil conquistem seu espaço profissional e pessoal e resgatem sua dignidade e autoestima


Agbara significa potência, força e poder. Com este nome imponente, nasce o primeiro fundo de apoio a mulheres negras e indígenas do Brasil. O Fundo Agbara sobressai por seu objetivo de potencializar o maior número possível de empreendedoras negras e indígenas, viabilizando independência financeira e emocional. Seu papel vai mais além ao surgir como uma resposta à falta de políticas públicas direcionadas a esses públicos e suas comunidades.

Criado em meio à crise econômica intensificada pela pandemia do coronavírus, o projeto criado por mulheres do interior de São Paulo arrecada doações para transferência de renda tanto na capital quanto em outras cidades do interior, como Hortolândia, Sumaré, Americana e Paulínia. A iniciativa é recente. Lançado em setembro de 2020, já soma mais de 270 doadores recorrentes cadastrados. Também já recebeu mais de 200 inscrições e beneficiou mais de 10 mulheres.

O Fundo Agbara ainda tem como premissa a elaboração de ações contínuas e cotidianas de combate efetivo do racismo institucional e estrutural. Também atua para ajudar as mulheres a serem independentes e conseguirem se libertar de relações abusivas e ciclos de violência.

Diretora-executiva e uma das fundadoras do fundo, a educadora Aline Odara afirma que a organização fornece algumas assessorias. “Estamos cadastrando parceiros que queiram oferecer assessorias dos mais diversos tipos. E, para depois da pandemia, temos feito uma reserva financeira para preparar cursos de aprimoramento para essas mulheres”, salienta.

Outra fundadora, a publicitária Fabiana Aguiar acrescenta que a iniciativa abrange também o sentimento de acolhimento e apoio trazido pela rede.

Afroempreendedorismo

Em torno de 40% das pessoas negras adultas são empreendedoras no Brasil. Estas pessoas podem ser denominadas afro-empreendedoras e são aquelas que usam uma estratégia de desenvolver uma atividade empresária, criativa e inovadora, com ou sem o auxílio de colaboradores. Um ponto importante a ser destacado é que ser afro empreendedor não é ligado ao objeto da atividade e sim à condição étnica do sujeito: toda pessoa negra que empreende é afro empreendedora.

O afroempreendedorismo no Brasil, apesar de ser uma estratégia bem antiga de sobrevivência das pessoas negras – há registros que datam de antes da abolição da escravidão – não obedece às mesmas dinâmicas do empreendedorismo praticado por pessoas brancas e isso tem raízes históricas.

Após mais de 130 anos do fim da escravidão, pessoas negras ocupam os piores postos de trabalho e ganham os piores salários: 67% de negros no Brasil recebem até 1,5 salário-mínimo. Nesse ritmo, a igualdade salarial entre brancos e negros no Brasil só será possível em 2089.

Esses elementos contribuem para que a maioria dos afroempreendedores sejam pessoas que empreendem por necessidade e não por desejo de se dedicar a algo que domina. Considerando ainda que o índice de escolaridade da população negra no Brasil é mais baixo do que o da população branca, muitos afroempreendimentos acabam tendo vida curta.

Entretanto, a movimentação de afroempreendedores tem apresentado características bem diferenciadas. Primeiro porque disponibiliza produtos que não foram lançados tradicionalmente: empreendedores negros apresentam uma visão privilegiada sobre as necessidades da população negra, atendendo especificidades de consumo.

Em segundo lugar, o afroempreendedorismo promove iniciativas de organização em rede, tais como o Black Money, que busca agregar valor à atividade empresária de pessoas negras, como o fortalecimento da comunidade negra e o uso da movimentação financeira como estratégia de combate ao racismo estrutural.

Como receber o apoio ou ser um doador

Para concorrer aos aportes financeiros (que são possíveis graças a parcerias com empresas, como Insecta, Cufa Campinas-SP, entre outras) ou assessorias técnicas, as interessadas negras ou indígenas devem realizar a inscrição no site da entidade.

Quem quiser ser apoiador e fazer doações ao fundo, também deve fazê-lo pelo site.

Depoimentos de mulheres contempladas

“Sou administradora da página grafismo indígena, que tem como objetivo divulgar a cultura do povo tradicional. O valor arrecadado será direcionado a arrumar o meu instrumento de trabalho, que é o notebook que parou de funcionar”. Lucineide Clementino Sol – Grafismo Indígenas.

“Com um celular, montei uma lojinha virtual onde anuncio pijamas e bolsas! Acrescento R$ 20 em cima dos produtos, pois, não tenho como ter um estoque. Assim vou ajudando em casa!” Cássia Helena – Acássia Modas e Acessórios.

“Em junho, tive a ideia de oferecer salgados veganos e vegetarianos, e teve e está tendo uma boa aceitação. O problema é que meu fogão de seis bocas, funcionam só três bocas, o forno também não funciona, o que me limita bastante pra poder vender outros produtos. Por isso, recorri ao fundo”. Fabiana Patrícia Cândida – Rapper e Cozinheira.

Mais informações:


Telefones de contato e e-mail:

Fonte: Assessoria

Redação

Tem uma sugestão de pauta bacana sobre algo relacionado ao mundo do empreendedorismo feminino? Entre em contato conosco pelo e-mail omktdelas@gmail.com!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *