Publicitária explica a importância do marketing estratégico para não sucumbir à pandemia

PorRedação

23 abr 2021
Foto: divulgação

Profissional indica o marketing digital para ajudar empresas a saírem fortalecidas da crise


Durante a pandemia de Covid-19, muitas pessoas precisaram se reinventar para se manterem ativas, inclusive os empresários e comerciantes. Com as pessoas passando praticamente todo o tempo dentro de casa, a única maneira segura e possível de chegar até o consumidor ou público-alvo, é por meio das ferramentas digitais.

Depois de mais de um ano do início da pandemia no Brasil, muitas empresas precisaram cortar custos. Segundo a pesquisa Impactos da Pandemia no Cenário Nacional, realizada em junho do ano passado pela Associação Brasileira de Automação, as companhias tiveram que colocar em prática algumas medidas emergenciais para redução de gastos. De acordo com o levantamento da Inflr, no relatório “Marketing Digital em tempos de pandemia: o que mudou”, no início da pandemia, a primeira reação das empresas foi frear as campanhas, o que levou a uma retração de 60% dos investimentos em marketing no período.

Segundo a publicitária Neemat Eid, sócia fundadora da agência ICB, na hora de reduzir despesas, o marketing deve ser considerado um serviço essencial e que deve ser mantido já que ele servirá para continuar atraindo clientes.

“No geral, as pessoas têm a impressão de que fazer marketing é uma coisa só, mas na verdade uma estratégia de marketing é composta por uma série de elementos. Se você precisa cortar verba do marketing, o ideal é conversar com sua agência e realinhar a estratégia, para reduzir o valor do investimento. Simplesmente desativar seu marketing pode ser fatal para o seu negócio, sobretudo neste momento”, alerta.

Isso porque, há um ano, nossa comunicação com o mundo acontece praticamente de maneira integral por meio digital. Logo, é nesse ambiente que as empresas precisam construir ou fortalecer suas imagens e atingir seu público. Segundo dados da pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), entre abril e setembro de 2020, mais de 11 milhões de brasileiros fizeram sua primeira compra online e surgiram mais de 150 mil novas lojas virtuais, que precisaram investir em divulgação para atingir seu público e vencer a concorrência.

De acordo com o relatório anual do Estado de Marketing da Hubspot, o canal pago que mais proporciona retorno efetivo em relação ao valor investido pelas empresas é o Facebook, seguido do Google e do Instagram. Além disso, uma pesquisa publicada no  Marketer’s Toolkit 2021 mostra que houve um aumento de 50% no tráfego de usuários de aplicativos como o YouTube, TikTok e a Twitch. 

Contudo, antes de investir em tudo ao mesmo tempo, Neemat alerta para a necessidade de entender o público-alvo e as expectativas do cliente e estudar várias ferramentas, além do digital, para traçar a estratégia adequada para cada situação.

“Se o cliente quer que mais pessoas visitem seu ponto de venda, vai ser uma estratégia completamente diferente do cliente que deseja receber mais ligações, por exemplo. Atualmente, essa estratégia para atrair pessoas para os pontos de vendas precisa ser reformulada e adaptada à realidade da pandemia. Numa semana estamos na fase vermelha e o comércio não pode funcionar, na semana seguinte tudo muda, está tudo muito dinâmico, por isso é tão importante que as empresas continuem investindo na prestação de serviço especializado para o marketing. É necessário entender o público e diversificar as estratégias de marketing, nunca trabalhar somente o canal digital.  Para compor a campanha, podemos resgatar técnicas como as televendas e a mala direta, inclusive!”, finaliza.

Na prática

No ano passado, a ICB, agência de marketing estratégico fundada por Neemat e sua sócia, Barbara Roma, atendeu uma demanda de uma multinacional de tecnologia da informação com foco em automação robótica.

O trabalho consistiu em uma campanha de marketing específica para apoiar o lançamento de uma nova solução criada pelo cliente. 

“Usamos algumas táticas integradas de marketing para ampliar o alcance da mensagem que o cliente queria passar. Para isso, integramos o site, uma landing page, que é uma página para captura de leads dentro do site, LinkedIn, e-mail marketing e Google Ads. Todos esses canais tinham como objetivo comum divulgar um evento on-line para anunciar o novo produto”, explica Neemat.

Esse conjunto descrito pela publicitária é conhecido, no meio do marketing, como Integrated Campaign, ou Campanha Integrada, no qual os pontos de contato convergem para um único objetivo.

O valor investido na campanha foi de menos de US$ 6 mil dólares e o valor arrecadado após o evento, foi de mais de US$ 150 mil dólares. Além disso, foram alcançados mais de 70 mil usuários únicos, dos quais 20% resultaram em inscrições para o evento, como é esperado em um funil de vendas B2B.

Fonte: Assessoria

Redação

Tem uma sugestão de pauta bacana sobre algo relacionado ao mundo do empreendedorismo feminino? Entre em contato conosco pelo e-mail omktdelas@gmail.com!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *