De MS para o Brasil: projeto criado por diretora técnica alcança renome nacional e se torna o Sebrae Delas

PorVanessa Ricarte

9 mar 2021
Maristela França, diretora técnica do Sebrae MS. Foto: arquivo pessoal

Foi em Mato Grosso do Sul que nasceu o maior programa de fomento ao empreendedorismo feminino do país

Em 2013, a unidade do Sebrae de Dourados, cidade localizada no interior de Mato Grosso do Sul, promoveu um painel sob o nome de “Empreendedorismo Rosa”. Maristela França, que já era diretora técnica da instituição à época, foi convidada a participar do evento. Para ela, o que lhe chamou a atenção não foi o fato do encontro ter abordado o tema “mulher de negócios”, mas sim a participação ostensiva, com lotação máxima e atenção plena, de empreendedoras que movimentaram a cidade, hoje com cerca de 225 mil habitantes.

A partir dessa visão, a diretora técnica do Sebrae Mato Grosso do Sul iniciou o projeto para estruturação de pesquisa sobre esse nicho de mercado, em busca de informações a respeito da ascensão da mulher no mundo dos negócios. Oito anos depois, o projeto que nasceu em MS se tornou o robusto Sebrae Delas, programa de aceleração com o objetivo de aumentar a probabilidade de sucesso de ideias e negócios liderados por mulheres, com atuação em todo o Brasil.

Prototipando o interesse

Maristela conta que, após o evento em Dourados, foi a vez de gerar buzz entre as empreendedoras de Campo Grande, Capital de Mato Grosso do Sul. “Fizemos um grande evento no auditório do Sebrae, novamente lotado. Logo em seguida, em 2015, passei a conduzir talk shows durante a Rota do Desenvolvimento, que foi uma ação ostensiva do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul em parceria com o Sebrae e demais entidades do setor produtivo”, explica.

Foco, intuição e vontade de crescer: qualidades comprovadas nos encontros sobre empreendedorismo feminino durante os eventos pré-pandemia. Foto: divulgação

O evento intitulado “Mulher de Negócios – Empreendedorismo Feminino em Pauta” ganhou força em cada região do estado contemplada pela Rota do Desenvolvimento. “Fizemos mais de 40 talk shows e o interessante é que em cada localidade, buscamos mulheres líderes e empreendedoras para compartilhar as suas histórias locais, como as presidentes de sindicatos rurais, de associações comerciais, entre outras, a fim de mostrar para aquelas mulheres que o empreendedorismo estava lá. Elas se sentiram representadas, pois todas as trajetórias foram e são inspiradoras, então, de alguma maneira, as mulheres se sentiram no palco também”, complementou Maristela.

Expansão para o Centro-Oeste

Já com a expertise traçada, foi a vez de expandir o projeto para fora das fronteiras de MS. De acordo com a diretora técnica, posteriormente, outras unidades da região manifestaram interesse em seguir com o trabalho de fomentar o empreendedorismo feminino em seus respectivos estados. “Com o passar do tempo, o projeto foi tomando corpo, forma e conteúdo. Em 2016, duas diretoras do Sebrae, uma de Goiás e a outra do Distrito Federal, se uniram a Mato Grosso do Sul nesse trabalho com o empreendedorismo feminino. Durante 3 anos, nós fomos agregando várias instituições e trabalhamos numa rede de cooperação. Diversas instituições que atuam no empreendedorismo feminino começaram a firmar parcerias junto ao Sebrae.”

Antes da pandemia, projeto estava delineado e a todo vapor em Mato Grosso do Sul. Foto: divulgação

O ponto de virada: Sebrae Nacional

No ano seguinte, Maristela França foi convidada a apresentar o projeto junto ao então presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. Na ocasião, a diretora apresentou um vídeo curto, de 5 minutos, sobre os últimos eventos ocorridos à época, que reuniram cerca de 2.800 mulheres em busca de conhecimento sobre a jornada empreendedora. 

“O evento aconteceu em uma época em que as redes sociais ainda não tinham o impacto e a abrangência que elas têm hoje. A ideia era que o Sebrae Nacional apoiasse o programa para a Região Centro-Oeste. O presidente Guilherme Afif assistiu ao vídeo produzido pela Lucielle Lima (atual gestora estadual do projeto Sebrae Delas em MS) e ficou impressionado. Sua contraproposta foi a de que o projeto piloto deveria contemplar não só o Centro-Oeste, mas também para um estado por cada região do Brasil”, relembra.

Projeto piloto nacional

Ciente das orientações de Guilherme Afif, Maristela França tinha uma outra tarefa: a de verificar quais estados da Federação iriam participar do projeto nacional. “O que iniciou com 3 estados (MS, DF e GO) foi expandido para mais 2 estados das demais regiões do país. Cada unidade iria estruturar o seu projeto, entretanto com uma linha, uma diretriz adotada pelo nacional e junto a nós sobre o que deveria ser trabalhado. A adoção ao projeto aconteceu conforme o interesse das regionais em todo o país”

O ano de estreia foi 2019: finalmente o Sebrae Delas, com atuação em todas as regiões do território nacional. “Em Mato Grosso do Sul, fizemos um edital de seleção (metodologia que também foi replicada em outros estados). A partir de então realizamos um diagnóstico dos perfis para desenhar as soluções. Em Mato Grosso do Sul, tivemos mais de 500 inscrições e 270 mulheres foram selecionadas. O programa foi inteiramente gratuito e, em decorrência da pandemia, foi 100% online durante o ano de 2020”, salientou Maristela.

Rachel Maia em drive-in inédito lançado pelo Sebrae MS. Foto: divulgação

Os perfis, segundo a diretora, são descritos como potencial empreendedora, micro empreendedora individual (MEI) e donas de micros e pequenas empresas. Maristela recorda que o último evento presencial ocorreu em março de 2020. Já em outubro de 2020 ocorreu o primeiro evento drive-in do Sebrae MS, no estacionamento do Shopping Bosque dos Ipês. “A palestrante convidada foi Rachel Maia, primeira mulher negra presidente de multinacional no Brasil, com passagens pela Lacoste e Pandora. Respeitamos todos os protocolos de biossegurança e os aplausos foram um grande buzinaço!”, recorda entre risos.

Resultados expressivos

Ao contrário do que se possa imaginar, o Sebrae MS aumentou o atendimento, dessa vez inteiramente online, durante a pandemia. De março a novembro de 2020, a instituição esteve envolvida em ações tanto como realizadora quanto parceira, como foi o caso do projeto para empoderamento econômico junto à Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande.

“No universo das 270 participantes do piloto Sebrae Delas em Mato Grosso do Sul, a maioria afirmou, claro, que a covid-19 afetou o seu negócio. No contraponto houve uma maior taxa de formalidade, já que elas se tornaram MEI para atender à legislação. Outro dado interessante foi que 77% das participantes afirmaram que inovaram em pelo menos um produto ou serviço do seu negócio. Ainda 53% do grupo aumentou o faturamento em plena pandemia”, constatou.

Segundo Maristela França, por intermédio do programa, o Sebrae MS pôde acompanhar a evolução do empreendedorismo feminino no estado. “As mulheres foram muito mais ousadas e corajosas e se jogaram de vez nas mídias sociais porque chegaram à conclusão: ou eu vou ou eu morro”. 

Legado e equilíbrio

Um episódio curioso que Maristela França relata foi em relação às oficinas (ainda presenciais) no ano de 2019. Em determinados momentos, a diretora técnica esteve nos encontros com as participantes. Algumas levavam os filhos, pois não tinham com quem deixar as crianças. “Me recordo de uma especificamente. Vi uma menina no colo de uma participante e perguntei em tom de brincadeira: o que você está fazendo aqui? Ela então respondeu: eu quero ser empreendedora!

Além do empreendedorismo ser reverberado pelas mães às futuras gerações, a estratégia de encantamento do cliente também foi adotada. Um dos carros-chefes do programa foi a oficina com Jacqueline Ferreira Gomes, consultora e diretora da No Coração do Cliente — empresa especializada em experiência do consumidor e certificada pelo Disney Institute. 

Sobre a questão de um suposto apartheid entre empreendedorismo masculino versus feminino, Maristela França faz questão de destacar que isso não existe. “A essência da nossa atuação é a complementaridade entre competências, habilidades e atitudes do feminino e do masculino. Precisamos sim nos apresentar para o mundo porque nós temos algumas características que são específicas do feminino e que juntas e equilibradas com as competências, habilidades e atitudes do masculino, é que trazem equilíbrio, mais equidade social, inclusão, humanização e dignidade para a sociedade”, concluiu.

Edital – O primeiro Sebrae Delas foi finalizado em novembro de 2020. O Sebrae MS deve lançar o edital nesta quarta-feira (10) para participação do novo programa de 2021. As inscrições vão até o dia 25 de março através do link www.sebrae.com.br/sebraedelasms.

Vanessa Ricarte

Editora-chefe do portal O MKT Delas! Especialista em jornalismo empresarial e institucional. Criadora e curadora de conteúdo (content marketing)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *